Testemunhos

PROFESSORES

Joao Canijo 2.JPG

"A Act  sempre foi para mim uma oportunidade de poder descobrir novas actrizes e novos actores, uma forma de ajudar esses potenciais artistas a perceber o que é ser actor, a perceber que há muitas maneiras de ser actor e a tentar descobrir um critério que os ajude a descobrir essa maneira de cada um"

João Canijo

APV.JPG

"Durante anos, houve uma excelente escola de actores: o Parque Mayer. Quem tinha jeito para a revista, que obrigava os actores a improvisar constantemente, a adquirir a noção do timing certo de cada réplica, a preencher as pausas entre duas gargalhadas da plateia, está pronto para fazer tudo: comédia ou drama, Molière ou Tchékov. A minha experiência de trabalhar com actores em cinema ensinou-me isso, mas ensinou-me também que um actor de cinema tem que fazer um trabalho específico para a câmara, tem que saber gerir o esforço, a concentração e o investimento emocional dentro de uma cena, plano a plano, take a take, coisas que as escolas de formação de actores que existiam não lhes ensinavam.

A ACT, para mim, que fui um dos impulsionadores desta aventura, surgiu dessa dupla carência. Hoje, dez anos volvidos sobre a primeira selecção de alunos (vinte, não mais, porque era necessário fazer uma selecção rigorosa, porque é difícil trabalhar seriamente com um número superior de alunos e porque não há mercado para mais), a ACT justifica-se mais do que nunca. E ter o prazer, todos os anos, de descobrir novos talentos e ajudá-los a descobrir-se, é um prazer gratificante e insubstituível. Apesar das dificuldades, da falta de oportunidades para prosseguir uma carreira séria e ambiciosa no teatro e no cinema, e talvez por isso, ver um que seja surgir um dia a “apanhar” um papel que lhe permite pôr à prova o que aprendeu e surpreender-nos, faz-nos esquecer as dificuldades e acreditar no nosso esforço e no seu empenho. A ACT faz cada vez mais sentido."

António Pedro Vasconcelos

 

jorge_silva_melo.jpg

"Com os Artistas Unidos dirigi um seminário de três meses na ACT: foi um prazer. Depois, tenho vindo a descobrir que entre os muitos actores que aprecio e que tenho vindo a chamar para produções minhas, grande parte andaram na ACT e nela receberam a formação inicial: que bom."

Jorge Silva Melo (Artistas Unidos)

 

Jorge Paixão da Costa.JPG

"Reconheço o mérito e a importância que a actividade desenvolvida pela ACT constitui  enquanto alternativa séria de ensino quer na vertente formal quer do conteúdo na área das artes performativas por isso tenho muita honra em colaborar com escola  na concretização desses objectivos."
J Paixao da Costa 

 

Sem Título.jpg

"O corpo do actor tem que ter a destreza de um atleta, não para correr a maratona mas para ser capaz de exprimir toda a complexidade do comportamento humano.

A  sua voz deve ser capaz de emitir desde o mais subtil som de angústia, ao grito mais lancinante de revolta, a  gargalhada mais cristalina, ao mais inaudível suspiro de amor.

Esperamos que através da sua imaginação nos transporte para lugares longínquos, que nos faça rir e chorar, que a sua alma seja grande como o universo para nela caber todo o mistério da alma humana....

Todos nós somos capazes de exprimir toda esta paleta de emoções, mas como fazer tudo isto em circunstancias que não são as nossas? Como é que o actor é capaz de se colocar na pele de uma outra "persona" e aceitar  dentro de si uma vida que não é a sua? 

Para isso tem que aprender, aprender a observar, a usar o corpo a voz, a imaginação, tem que praticar, ensaiar, repetir.... precisa de ferramentas de instrumentos tal como um pedreiro ou um cirurgião.

Precisa de uma escola, é claro!"

Elsa Valentim

 

EX-ALUNOS

 

“O workshop da Act foi o início da minha formação como actriz, foi o início de uma paixão e de um caminho na vida. Lembro-me até hoje daquele mês tão marcante e da oportunidade de trabalhar com pessoas que tanto admirava e admiro, Nicolau Breyner, António Pedro Vasconcelos e, claro, Elsa Valentim… a minha primeira professora de interpretação e que ocupou um lugar muito especial no meu coração”

Paula Neves, actriz - Aluna do 1º Workshop organizado pela Act – 2000

“Aproveitem toda e qualquer oportunidade para experimentar, para se exporem, para se fragilizarem, para se abrirem, para se magoarem. É para isso que as escolas servem e nesta há o ambiente ideal para isso. Os professores apoiam, ajudam, compreendem e sentem connosco. Passaram mais de dez anos desde que fiz o meu curso e continuo sem me arrepender de um único minuto que passei nesta escola. Uma escola de teatro é, acima de tudo, uma escola de vida. Que os novos alunos saibam aprender a viver. Cá fora, as rosas têm mesmo espinhos e a piedade escasseia... por isso há que criar forças, músculos. No corpo e na mente. Entreguem-se e vivam!”
Patrícia Adão Marques, actriz - Aluna do Curso Profissional de Actores 2001/2002


“Em qualquer uma das nossas actuações, existe uma certa quantidade de nós mesmos nelas. Tem de haver, caso contrário não é só actuar. É mentir. Os sonhos acabam quando deixamos de tentar. Portanto, "if you can dream it, you can do it". Obrigado Act - Escola de Actores”
Gonçalo Lello, actor - Aluno do Curso Livre Pós-Laboral 2005/2007

"A minha primeira escola de teatro, foi a Act, e não podia ter escolhido melhor. O melhor corpo docente, as melhores experiências da minha vida enquanto aluna. 
O teatro é uma família, e foi durante o tempo que frequentei a Act, que percebi que faço parte dela"
Joana Castro, Aluna do Curso Livre Pós Laboral 2004/2005